É uma framework que habilita o administrador a gerenciar todas as configurações dos servidores de aplicações da oracle.

Com o DCM podemos:

  • Gerenciar clusters e fazendas de instancias OAS.
  • Gerenciar a configuração de componentes individualmente, como o HTTP server, OC4J, o OPMN ou o JAAS.
  • Efetuar disponibilização de aplicações clusterizadas
  • Gerenciar versões de configurações

o DCM é implementada pelo processo DCM e tem duas interfaces:

  • Application Server Control para o cliente browser
  • Utilitario de linha de comando – dcmctl

O DCM ainda é associado a dois tipos de plug-ins:

  • Disponivel para clusterização – Clusterable: Para o Oracle HTTPServer, OC4J e OPMN
  • Não disponivel para clusterização – Nonclusterable: Para outros componentes do servidor de aplicação que nao estejam clusterizados.

O DCM contém um repositorio que pode ser armazenado em arquivos, ou no banco de dados de metadados. Logicamente, podemos fazer uma copia de seguranca de tempos em tempos em arquivos a partir do dcmctl. O acesso ao repositorio é sempre feito pelo dcmctl, onde a localização dos arquivos fica em: ORACLE_HOME/dcm/repository

Os arquivos do repositorio são descritos a seguir:

  • app.bom: Armazena os nomes e versões dos objetos disponibilizados na instancia.
  • conf.bom: Armazena nomes e versões das configurações dos objetos disponibilizados na instancia.
  • cluster.bom: Armazena informações sobre o cluster que a instancia pertence.
  • tp.bom: Armazena informações sobre a topologia da instancia.