Novidades do 11G

Outro dia, conversando com um amigo DBA, ele me informou que não houve muitas mudanças no 11G. Então me questionou se eu havia pesquisado ou estudo sobre o assunto, foi ai que eu vi a necessidade de me informar sobre a nova versão. Aqui no Brasil, ao contrario do que já escutei de alguns americanos, o 11G ainda não entrou totalmente no gosto de todas as empresas até onde eu sei. Bom, talvez simplesmente pelo fato de aguardar a release 2 para evitar que um novo patch tenha que ser aplicado ? Todas as versões do oracle tem se mostrado muito a altura dos requisitos empresarias, inclusive até mesmo excedendo as expectativas. Assim, vamos la:

PARAMETRIZAÇÕES

DIAGNOSTICO

No 11G, foram substituídos os antigos parâmetros:
• USER_DUMP_DEST
• BACKGROUND_DUMP_DEST
• CORE_DUMP_DEST
Como todos sabemos, estes parametros serviam para designer o local de log, alterta, trace, e erros do usuario sempre eram gerados arquivos nestas pastas.
Agora usaremos o parâmetro DIAGNOSTIC_DEST que por padrão fica na pasta $ORACLE_HOME/diag.

GERENCIAMENTO AUTOMATICO DE UNDO

Sem maiores surpresas, o gerenciamento de undo é agora por padrão como automático, cuidado, altere este parâmetro ao efetuar a migração.

CONTROL_MANAGEMENT_PACK_ACCESS

Este parâmetro devera estar como DIAGNOSTIC+TUNING (padrão), para que as ferramentas de diagnostico, AWR, ADDM e a de tuning SQL tuning advisor, sql access advisor sejam alimentadas com informações e estejam disponíveis para uso.

HOT PATCH – PATCH A LIVE

Uma nova modalidade de se aplicar um patch, dessa forma não é necessário a parada do banco de dados. Os usuários continuam acessando a base e você poderá aplicar o patch normalmente. Utilizando ainda o comando opatch via linha de comando para aplicar correções ao banco oracle, sem a necessidade de paradas, recompilação do binário do oracle ou reinicialização da instancia. O patch do tipo HOT PATCH esta disponível em linux e solaris, e ainda existe um consumo extra de memória ao ser executado.

NOVIDADES PARA O ASM

Quando um dos discos pertencente a um grupo de discos ASM era perdido ou danificado, eram movidos todas as extensões para os discos restantes o disco em seguida era automaticamente removido. A opção FAST MIRROR reduz significativamente o tempo requerido para esta re-sincronização. Assim, o fast mirror faz com que somente a informação alterada seja mapeada para depois ser novamente aplicada neste disco a partir do ponto em que estiver disponível novamente.

A operação pode ser monitorada através do EM:

Exemplo de instrução SQL que devera ser executado na instancia ASM:

ALTER DISKGROUP SET ATTRIBUTE ‘DISK_REPAIR_TIME’=’1D4H50M’ ;

DISCOS PREFERENCIAIS DE ESPELHAMENTO

Discos Preferenciais podem ser designados atraves do parametro ASM_PREFERRED_READ_FAILURE_GROUPS. É um parâmetro dinâmico que informa quais são os grupos de discos preferenciais para se executar o espelhamento. Para visualizar a configuração, pode também se ler uma nova coluna que foi adicionada a view V$ASM_DISK – PREFERRED_READ, que mostra se o grupo de discos é preferenciais no caso de uma falha. Este parâmetro foi adicionado na pagina de administração do ASM, na aba de configuração.

MELHORIAS COM RELAÇÃO AS EXTENSÕES

Agora são criadas extensões do tamanho do arquivo, o ASM suporta agora extensões de tamanhos variáveis para reduzir a utilização da shared pool, e suportar o maior tamanho possível de arquivos. Não é necessária nenhum controle manual da desfragmentação.

ATRIBUIÇÃO SYSASM

Uma nova atribuição (role) foi criada para que fosse atribuída aos DBAs que necessitem administrar as instancias ASM. A responsabilidade SYSDBA foi descontinuada para o gerenciamento das instancias ASM no 11G. Somente na release 1 ainda é usado o sysdba, portanto utilize o sysasm ao invés do sysdba.

Pode se verificar na view V$PWFILE_USERS através da nova coluna SYSASM, indicando se o usuário poderá se conectar através do privilegio SYSASM ou não.

Novos atributos para o ASM DISKGROUP

Estes atributos se configurados nos discos, poderão ser consultados através da view V$ASM_ATTRIBUTE.

AU_SIZE – Tamanho da unidade de alocação, podendo ser 1,2,4,8,16,32,64MB
Compatible.rdbms – Parâmetro útil em ambientes heterogenios, para informar a versão do banco de dados. Determina o formato da mensagem entre a instancia ASM e a instancia Oracle.
DISK_REPAIR_TIME – Quantidade de tempo antes da remoção de um disco para offline.
TEMPLATEname.REDUNDANCY – Redundância para um template.
TEMPLATEname.STRIPE – Atributo de stripping do tipo coarse e fine para o template.

Comandos úteis ASM:

Para verificar a consistência de um diskgroup, verifique a partir do comando:
ALTER DISKGROUP DATA CHECK;

ALTER DISKGROUP DATA REPAIR;

ALTER DISKGROUP DATA DISMOUNT;

ALTER DISKGROUP DATA MOUNT RESTRICT;
O modo de montagem restrito é uma novidade no 11G, assim os clients nao podem conectar a este diskgroup, assim o poder de balanceamento é melhorado.

ALTER DISKGROUP DATA MOUNT;

ALTER DISKGROUP DATA MOUNT FORCE;

O padrao é sempre NOFORCE, mas se for necessário pode se utilizar o comando FORCE para tentar montar um grupo de discos, se algum dos discos esteja offline. Isso faz com que correções de configurações sejam executadas, como ASM_DISKSTRING. Mas se os discos não ficarem online, mesmo assim não será possível monta-los.

DROP DISKGROUP DATA FORCE INCLUDING CONTENTS;
Este commando força a remocao de um diskgroup. Força a remoção de um diskgroup que não é possível de se montar. É necessário incluir, com a opção force – including contents.

COMANDOS UTEIS ASMCMD

Através do prompt de comando ASMCMD é possível executar alguns comandos úteis, para isso utilize o asmcmd help;
Cp. Lsdsk, md_backup, md_restore full ou nodg ou newdg.

Os commandos md_backup permitem que seja executado o backup de metadados da instancia ASM.

BANCO DE DADOS STAND BY

Outra novidade muito bem vinda no 11G é o stand by database, que alem das atribuições normais de uma banco de dados standby ainda permite com que seja efetuadas consultas ou alterações no banco de dados standby. A partir do banco de dados físico, recebe informações de redo continuamente. Muito legal essa funcionalidade ! Digam qual o banco que podemos fazer isso ?

NOVA FUNCIONALIDADE – PERFORMANCE ANALYZER

O performance analyzer é uma nova funcionalidade que ao que eu entendo vai desbancar as ferramentas de performance de sql. Ele é integrado ao SQL tuning advisor e ele constroi varias versões de uma única consulta (opa que legal) e de quebra ainda faz a avaliação de estatísticas e performance de cada uma das consultas.

Bom, pra nós simples mortais – mostra uns relatórios comparativos entre as consultas. O que significa que nos ajuda demais no trabalho de comparação de performance entre as consultas executadas, é o máximo.

DBCA – PREPARADO PARA ASMM

O dbca já esta preparado para o gerenciamento automático de memória. Isso faz com que ele seja preparado para o gerenciamento automático no ato da criação do banco de dados.

DUPLICAR O BANCO DE DADOS

Conseguimos agora, duplicar o banco de dados com o enterprise manager, e o que é muito legal porque assim podemos criar um banco de dados de teste em minutos ! Esta tarefa devera ser feita com o RMAN.

IMPORTAR O CATALOGO
Podemos importar o catalogo de recuperação do rman de outros catálogos de recuperação. Isso nos ajuda bastante no ato da recuperação, visto que se caso no arquivo de controle não houver nenhuma informação de metadados de backup, então teremos que importar as informações seja de conjuntos de backup ou ainda de outro catalogo de backup.

No rman com a versão 11G ainda é possível criar uma versão de catalogo privado, fazendo com que o somente o usuário que estiver com a permissão RECOVERY_CATALOG_OWNER poderá então lista as informações sobre os metadados.